Arquivo de Julho, 2008

O tratamento da parede de alvenaria de pedra

Como podem verificar no Relatório de Inspecção e Diagnóstico com identificação do estado de conservação dos elementos estruturais e patologias existentes na construção, “(…), na fachada lateral do edifício B, mais precisamente no alinhamento da zona do passadiço de betão armado, verificou-se a existência de um movimento com alguma importância da parede. Este movimento traduz-se num assentamento vertical de cerca de 4cm dos elementos de alvenaria de granito da fachada, originando alguma fissuração no restante pano de parede. Refira-se que as padieiras das portas sob o passadiço de betão ficaram praticamente amarradas a este, não tendo sofrido nenhum assentamento.
O movimento ter-se-á devido ao assentamento diferencial e localizado de um troço da fundação. Por seu lado, este assentamento da fundação poderá estar associado à abertura de um buraco ou vala para introdução, por exemplo, de tubagem de saneamento, uma vez que existe uma caixa na proximidade. Se for esse o caso, a rotura dessa tubagem terá promovido o assentamento da fundação, com o consequente movimento da parede de perpianho.”

Fotografia parcial da parede norte - Relatório FEUP

Fotografia parcial da parede norte - Relatório FEUP

Na passada quarta-feira começamos a tratar de resolver o problema detectado nesta parede. De forma sucinta, o tratamento da parede passará pelo seu desmonte, regularização do assentamento, pelo reforço das fundações e finalmente pela montagem da parede de acordo com a original. Sendo assim, a primeira etapa a ultrapassar prende-se com o escoramento necessário para o desmonte em segurança da parede.  A nossa abordagem foi orientada pela proposta de escoramento fornecida pela FEUP (na fotografia abaixo).

Proposta de Escoramento da Parede Norte - FEUP

Dessas reuniões têm participado os engenheiros Esmeralda Paupério e Tiago Ilharco Dias em representação do Instituto da Construção (FEUP), Eng. Domingos Martins, técnico responsável pela direcção da obra, Eng. Miguel Monteiro, da empresa 3M2P, Eng. Francisco Reis, autor do projecto de estabilidade, Eng. Paulo Pereira, consultor da 3M2P, e os arquitectos autores do projecto, Adriana Floret e Carlos Dias.

Vista parcial da parede norte - interior

Eng. Miguel Monteiro e Eng. Esmeralda Paupério

Desta última reunião ficou resolvido que, em primeiro lugar, seriam fixados os perfis UNP como demonstra o desenho esquemático. Além dessa fixação será necessário também a realização de sondagens, tanto no exterior como no interior do edifício para ver qual o estado das fundações da parede de alvenaria de pedra.

 

Anúncios

Com as limpezas aparecem as visitas!

As limpezas continuam a bom ritmo….

Limpezas no exterior

Visitas

Todas as telhas existentes (datadas de 1917), em bom estado de conservação serão aproveitadas.

O arquivo da Fábrica de Tecidos Manuel Pinto de Azevedo (e outras)

 

Sociedade Manuel Pinto de Azevedo

Quando se iniciaram as operações de limpeza do edifício tivemos uma surpresa. Para além de “toneladas” de lixo que se foi acumulando ao longo dos anos (o costume: colchões, entulho, gatos mortos e etc), calhou alguém olhar com atenção para as pilhas de papel que iam aparecendo. E em boa hora o fez porque rapidamente se constatou que estávamos perante documentação relativa à actividade na primeira metade do século XX de Fábrica Manuel Pinto de Azevedo e de outras firmas. Cientes do interesse deste arquivo para a história empresarial e económica do norte do país (e não só), tratámos de acondicionar e proteger papelada, ao mesmo tempo que contactávamos o Arquivo Distrital do Porto, que prontamente nos prestou todo o apoio. No terreno, a Directora do Arquivo, a Dr.ª Maria João Pires de Lima e o Técnico Superior de Arquivo, o Dr. Henrique Dias, confirmaram a relevância do acervo. O arquivo encontra-se agora à guarda do ADP e, segundo notícias que tivemos recentemente, já se iniciou o seu tratamento técnico através de um programa de voluntariado.

PS: Entretanto, descobrimos que o Museu da Indústria também possui no seu Centro de Documentação, um acervo documental dedicado a Manuel Pinto de Azevedo.

Aspecto geral do interior

Registos dos trabalhadores da Fábrica de Tecidos

Amostras de tecidos

Registos de trabalho

A "papelada"

Registos de produção

Algum material em mau estado de conservação

Demolições (20.06.2008)

As demolições iniciaram. Talvez ‘demolição’ seja a melhor palavra para descrever os trabalhos executados, porque na verdade trata-se de desmontar e remover alguns elementos para recuperar. Outros, devido ao seu mau estado de conservação não serão recuperados.

Um dos elementos removidos foi a parede a poente de alvenaria de tijolo. A demolição deste pano de parede justifica-se por se tratar de um elemento dissonante, construído recentemente e que nos impedia de ver o alçado original com os vãos semelhantes aos restantes alçados. Agora após a demolição  podemos ver fachada original e as varandas existentes que será de novo um elemento a considerar nesse alçado.

Alçado poente - antes das demolições

Alçado poente - após demolições

As telhas também já foram levantadas. Podemos através destas fotografias analisar a estrutura de madeira das coberturas e a qualidade dos pormenores elaborados. As telhas em bom estado de conservação serão reutilizadas. No edifício de 1918, o edifício menor, a estrutura de madeira será recuperada, substituindo os elementos inoperantes.

Cobertura - edifício 1918

Cobertura - edifício 1916

Foi retirado todo o reboco assim como foi picado todo o material impermeabilizante à base de asfalto de modo a conseguirmos visualizar a alvenaria de granito e percebermos se existia mais algum pano de parede com problemas estruturais semelhantes ao existente no alçado norte. Toda a pedra está em muito bom estado de conservação.

Alçado norte

 

Primeira visita (21.11.2006)

Fotos da primeira visita ao terreno. Um edifício cheio de carácter mas muito degradado. Em algumas partes, a vegetação já havia tomado o edifício e em algumas divisões já não existe tecto. Apesar de tudo, os alçados parecem relativamente bem preservados.

[Fotos: Adriana Floret, Carlos Dias e David Afonso]

Manuel Pinto de Azevedo (1874 – 1959)

A seguinte nota biográfica foi publicada com autorização do Doutor José Manuel Lopes Cordeiro, a quem muito agradecemos toda a disponibilidade que tem demonstrado connosco, visitando o edifício e fornecendo informação relevante para a contextualização e significado destes edifícios. 

«Natural do Porto, freguesia do Bonfim, onde nasceu em 27 de Abril de 1874 e onde veio a falecer, em 17 de Fevereiro de 1959.
Após ter frequentado a Escola Técnica de Faria Guimarães, no Porto, onde se matriculou no ano de 1891, iniciou a sua actividade profissional como operário da indústria têxtil, um sector em franca expansão na Cidade Invicta, nos finais do século XIX. O seu espírito de iniciativa, aliado a uma assinalável competência técnica, possibilitaram-lhe uma rápida afirmação profissional, de tal modo que ainda antes de completar 30 anos de idade já tinha ascendido ao cargo de Director da Fábrica de Tecidos do Bonfim. A experiência e os conhecimentos aí adquiridos irão ser-lhe de grande utilidade para os projectos e empreendimentos que irá concretizar nos anos seguintes. De facto, volvidos apenas alguns anos, Manuel Pinto de Azevedo era já um industrial de renome, desdobrando-se em múltiplas iniciativas, em seu nome próprio ou associado com outros industriais e capitalistas, fundando novas fábricas e adquirindo outras, ampliando-as e renovando os seus equipamentos, afirmando-se cada vez mais como um dos principais empresários do país no sector da indústria têxtil algodoeira.
Ao mesmo tempo que consolida e desenvolve a Fábrica de Tecidos do Bonfim – dotando-a, em 1914, de uma tinturaria – Manuel Pinto de Azevedo inicia a constituição de um verdadeiro império industrial, com sucessivas aquisições de fábricas têxteis, algumas delas de grande importância no panorama económico nacional. É o caso da Fábrica de Fiação e Tecidos de Soure, por ele arrendada em Outubro de 1917, a qual vem a adquirir em 1924, em associação com o empresário Manuel Alves Soares (1879-1941), seu parceiro em múltiplos negócios. A partir de então, e durante uma década, a estratégia de Manuel Pinto de Azevedo será a de criar um forte grupo industrial no sector têxtil algodoeiro adquirindo, sucessivamente, algumas das mais importantes unidades daquele ramo que então laboravam no Porto e nos concelhos limítrofes.
Actuando, em regra, através de sociedades formadas com outros industriais, Manuel Pinto de Azevedo vai constituindo, em apenas uma década, um autêntico império industrial. Uma das primeiras unidades então adquiridas será, em 1920, a Fábrica de Fiação de Tecidos da Areosa, no Porto, um importante estabelecimento industrial que tinha sido fundado em 1907 por Pantaleão C. R. Dias e Lobão Ferreira. Seguidamente, adquire em 1922 aquela que virá a ser a mais importante fábrica do seu empório industrial, a Empresa Fabril do Norte, na Senhora da Hora, Matosinhos, a conhecida fábrica de carrinhos e linhas de algodão, que tinha sido fundada em 1905 por Delfim Pereira da Costa (1862-1935). Manuel Pinto de Azevedo irá renovar e ampliar esta fábrica de uma forma notável, sendo de destacar a introdução de um importante conjunto de equipamentos sociais para os seus operários. O passo seguinte passará pela aquisição, em 1928, de duas outras unidades têxteis, a Fábrica de Fiação e Tecidos de Ermesinde e a Fábrica de Tecidos Aliança, em Rio Tinto, completando assim uma primeira fase de uma estratégia marcada pela sua afirmação no sector têxtil algodoeiro.
Uma parte considerável da produção destas unidades têxteis – composta por tecidos leves destinados a serem estampados com cores garridas – estava orientada para o abastecimento dos mercados coloniais. Tal orientação correspondia à segunda parte da estratégia que Manuel Pinto de Azevedo tinha estabelecido para o sector têxtil, cujos contornos se tornam claros em 1924 com a constituição do Entreposto Comercial e Industrial do Norte – onde, precisamente com esse objectivo, reuniu as suas empresas fabris -, complementada em 1933 com a constituição de duas sociedade distribuidoras, em cada uma das principais colónias africanas.
Efectivamente, a fim de aí desenvolver o consumo de tecidos de algodão instalou, nos principais distritos de Moçambique e de Angola, estabelecimentos para a venda e a propaganda dos seus produtos: a “União Industrial Algodoeira, Lda”, para o mercado moçambicano, e a “A Algodeira Colonial, Lda”, a sua congénere em Angola, onde possuía vastas plantações de algodão, nomeadamente no distrito de Quanza Sul. Na década de cinquenta, juntamente com outros industriais, criou a Sociedade Algodoeira de Portugal, com o objectivo de fomentar a indústria têxtil nas colónias de África.
Manuel Pinto de Azevedo não limitou a sua actividade empresarial exclusivamente ao sector têxtil algodoeiro. Ainda no domínio da indústria, interessou-se pelo sector conserveiro, fundando em 1929 a Continental Sociedade de Conservas, em Matosinhos, investindo, mais tarde, na Companhia Portuguesa do Cobre, com fábrica no Porto, assim como na importante firma portuense “António Maria Tavares, Júnior, Lda”, e na “Sociedade Corticeira Robinson Bros., Lda”, de Portalegre.
Particularmente importante foi a sua actuação no sector da imprensa, nomeadamente nas empresas dos jornais “O Norte” e “Jornal de Notícias”. Mas, foi na empresa do jornal “O Primeiro de Janeiro” – da qual, em Abril de 1923, tinha passado a ser o maior accionista e onde exerceu a presidência do seu Conselho de Administração, até à sua morte, em 1959 – onde a sua intervenção neste domínio se revelou particularmente notável. Introduzindo importantes transformações e melhoramentos, tanto na componente gráfica como redactorial, o jornal veio a afirmar-se como um dos mais bem elaborados no panorama da imprensa diária nacional, posição que manteve durante décadas.
Os seus interesses voltaram-se ainda para o investimento na vinicultura, na grande exploração agrícola, nos sectores eléctrico (União Eléctrica Portuguesa), bancário (Banco Borges & Irmão), de seguros (A Mutual do Norte) e ainda no sector da saúde, através da Clínica Heliântia.
Desenvolveu também uma activa intervenção em vários domínios da vida pública da cidade do Porto. Republicano desde a sua juventude, integrou a primeira vereação da Câmara Municipal da Cidade Invicta, eleita logo após a queda da monarquia, mantendo-se na municipalidade até 1917. Nos anos do primeiro conflito europeu organizou, por delegação da autarquia, os serviços de abastecimento da cidade, evitando que o acesso aos mesmos só pudesse ser efectuado através do mercado negro. Voltou a ser eleito vereador em 1919, cargo que desempenhou até Outubro de 1921, ano em que se afastou voluntariamente, abandonando toda a actividade política. Contudo, a sua acção ao serviço da causa pública prosseguiu, vindo a desempenhar durante doze anos, a partir de 1926, o cargo de Mesário da Santa Casa da Misericórdia daquela cidade, sendo reeleito para um novo período, entre 1941 e 1945. Nessa qualidade, assumiu a administração do Hospital-Sanatório Rodrigues Semide, ao qual facultou inúmeros benefícios e melhoramentos, procedimento que exerceu, igualmente, em relação a vários hospitais e casas de caridade do Norte e Centro do país.
Galardoado com o grau de Grande Oficial da Ordem de Cristo e de Oficial da Ordem da Instrução Pública, desenvolveu também uma actividade filantrópica nas suas empresas, criando bairros operários, creches, lactários, cantinas, bibliotecas e outros benefícios para o operariado.»

CORDEIRO, José Manuel Lopes (2004), O Rasgo e a Vontade. [Porto] : Associação Empresarial de Portugal, pp. 87-89.

[Foto: http://museudaindustriacd.blogspot.com/]

Os projectos de 1916 e 1918

Centro Republicano Democrático do Bonfim (1916)

Os dois edifícios foram mandados construir por Manuel Pinto de Azevedo – industrial portuense (nota biográfica) em 1916 e 1918. O primeiro edifício foi licenciado em Novembro de 1916 com uma dupla função: armazém e centro político: “É devido ao seu destino que o referido edifício consta essencialmete de amplos salões nos seus dois pavimentos, com excepção apenas de uns dois compartimentos de divisões reservados a serviços de secretaria e de reuniões de direcção, um dos quais em ocasiões de festa funcionará como toilete de senhoras” (Memória Descritiva1916). O armazém serviria muito provavelmente de apoio para a fábrica têxtil localizada no mesmo quarteirão, na Rua do Bonfim. Quanto ao centro político tratava-se do Centro Republicano Democrático do Bonfim. A actividade de Manuel Pinto de Azevedo não se limitava à indústria, intervindo civica e politicamente na vida cidade e do país, tendo desempenhado as funções vereador durante o período da 1ª República. O empenho na vida pública e nas questões sociais também se reflecte na gestão das suas unidades industriais que foram pioneiras no apoio social aos trabalhadores.

Creche, Cantina e Balneário da Fábrica Manuel Pinto de Azevedo (1918)

O segundo edifício, cujo projecto foi aprovado a 25 de Julho de 1918, é justamente um bom exemplo desse cuidado, dado que sobre este foram declaradas as seguintes funções: “…balneário com cantina e uma pequena creche sendo aqueles destinados aos operários da sua fábrica de tecidos e esta última para os filhos desses operários.” (Memória Descritiva1918). Foi aqui que Manuel Pinto de Azevedo ensaiou a política social que depois aplicará em grande escala na EFANOR (Senhora da Hora, Matosinhos). Este segundo edifício, tal como o primeiro, foi projectado com áreas amplas de refeitório e de dormitório, excluíndo as áreas de balneário e cozinha que terão sido demolidas ao longo do período de vida inicial do edifício.

[Imagens: Arquivo Histórico Municipal do Porto]

Adriana Floret
Adriana Floret - Arquitectura Ldª Rua de Entreparedes, 68
4000-198 Porto
PORTUGAL
Telemóvel: 917405510 Telefone/Fax: 220174595
www.floretarquitectura.com adriana@floretarquitectura.com

Floret Arq. Twitter

Erro: Twitter não está a responder. Por favor espere alguns minutos e recarregue esta página.

Canal Floret Flickr

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos artigos por email.

Junte-se a 23 outros seguidores

Blog Stats

  • 210,831 hits

%d bloggers like this: